Casamento Feliz. Segredos para ter 365 dias dos namorados por ano

Casamento feliz é um eterno namor
Não parar de namorar forma um casamento feliz

Casamento feliz é uma construção conjunta, um objetivo que precisa ser comum aos envolvidos e que, como qualquer iniciativa, vai exigir o melhor das habilidades humanas para enfrentar desafios, desesperanças, angústias, dúvidas, falta de motivação e tantos outros elementos negativos que não fazem apenas parte do casamento, mas da vida humana como um todo.

Certamente você já se deu conta que mesmo com a existência de elementos negativos, a vida é algo absolutamente maravilhoso, uma oportunidade oferecida pelo criador, para que você possa fazer parte deste plano maior.

Um casamento feliz é manter esta compreensão acima de todos os instintos de desistência, já que a perseverança é a chave construtora e realizadora da vida.

Um casamento é a união definitiva para uma jornada a dois, através dos desafios mundanos, na intenção de encontrar uma forma equilibrada de vida, construindo a célula básica da sociedade, a família, e direcionando à esta construção, todos os seus esforços e compreensões, onde todos os personagens, compreendem a fundo o seu papel neste maravilhoso encontro.

Sonhos, expectativas, esperanças, tudo se mistura numa receita abençoada, que faz com que a caminhada seja mais fácil e a chama dos motivos continue acesa.

Casamento feliz é uma parede de mil tijolos, sustentados pela argamassa da fé

Casamento feliz é construção
Um casamento feliz é construído todos os dias

Casamento feliz é o entrelaçamento de vidas que, até então, existiram de forma independente, se construíram a partir de seus aprendizados e experiências, fundamentadas em crenças e entendimentos que ergueram a parede de seu caráter e personalidade.

Quando estas vidas se encontram, se conhecem, sintonizam e se completam, é esta sensação que deve ser mantida através dos tempos, pois a felicidade está em manter esta percepção como o agente de união.

Você não sair espalhando os preciosos tijolos desta construção, diante dos mal-entendidos, da falta de compreensão, da incerteza alimentada pelas dúvidas e da insegurança, que o medo faz dominar a vida daqueles que não têm fé.

Existem casos em que uma relação chega ao fim e o castelo de sonhos desmorona, não podemos deixar de reconhecer, mas nossa intenção aqui, é dar argumentos e sustentação para que você não desista sem ter lutado até o final, sem ter esgotado todas as possibilidades de recolocar uma relação eventualmente desnorteada, no rumo correto da felicidade.

Se não tem jeito, enfim, resta pouco o que fazer, mas o que não pode acontecer, é que as pessoas desistam diante de situações que não são definitivas, que são parte do processo de compreensão da relação, que estão relacionadas ao aprendizado mútuo de como construir uma família, uma casa abençoada e um casamento feliz.

Não existem mais as carruagens fantasiosas que levam as puras donzelas aos bailes com os príncipes encantadores.

Não existem, a menos que vocês façam acontecer na realidade, aquilo que o sonho conjunto projetou e a fantasia dure para sempre.

Cada pequeno tijolo da parede da felicidade conjugal precisa ser posicionado a quatro mãos, a dois corpos e num só coração.

A solidez como esta parede se posiciona e se mantém, é resultado da base, dos alicerces, do tipo de cuidado que foi tomado no início de tudo, pois na vida, como na construção, aquilo que começa errado, tende a continuar errado, agravando os desequilíbrios e comprometendo a sustentação.

Mas se é verdade que o que começa errado tende a continuar errado e se agravar, então, por simples lógica, o que começa certo, tende a continuar certo, e melhorar.

Porque então as paredes de um casamento feliz desmoronam?

O que faz um casamento desmoronar

Casamento feliz e os momentos delicados
Superar momentos delicados fortalece o relacionamento

Quando um casamento inicia, você não está na frente de um sacerdote, pastor ou mero agente religioso, nada disto.

Um casamento inicia quando os olhares se cruzam, a mente fica inquieta com aquela presença e os dois personagens se atraem, antes mesmo de compreender os motivos e caminhos desta atração.

É quando as primeiras confidências são trocadas, enquanto os primeiros detalhes da personalidade de cada um vão sendo expostos, é ali que a união começa a se estabelecer.

No início são rascunhos, linhas elaboradas na intensidade daquela sensação única, muitas vezes sentida pela primeira vez, que mesmo que resulte numa imagem rebuscada, ainda assim, tem o esplendor de uma obra de arte completa e magnífica.

Mas ainda são rascunhos e é preciso aperfeiçoar o desenho.

Este é o caminho da transformação daquelas figuras inexperientes e inseguras, em personagens principais, protagonistas de uma história de amor verdadeiro.

É o aperfeiçoamento das linhas, a composição delicada de cada elemento daquela obra, que une o casal no objetivo mútuo de não se separarem mais, de definirem que cada um é a companhia perfeita para trilhar a caminhada desafiadora do futuro.

Mas quando o castelo começa a desmoronar?

O casamento feliz acontece muito antes de seus protagonistas perceberem, quando os mecanismos profundos e desconhecidos que controlam a vida, diante de uma aproximação sintonizada, assumem o controle e o Senhor dos Destinos elabora aquela união como algo abençoado e Divino.

O desmoronar de uma relação também inicia muito antes dele se realizar de fato e o desmoronamento do castelo tem seu início nos pequenos desajustes, nas mínimas incompreensões, nos mais desprezíveis gestos e nas mais insignificantes atitudes.

O que nasce sem percebermos, também morre sem nos darmos conta.

É a energia inicial que acende a chama da relação e é esta chama que leva ao conhecimento, à experimentação da convivência, evoluindo nas etapas naturais, virando um namoro, chegando a um noivado e culminando num casamento, em meio a todas aquelas esperanças e desejos de felicidades plenas.

O que corrói uma relação que nasceu tão intensa e com ares de ser definitiva, já se manifesta muito antes de ganhar o corpo de um problema insuperável, e não é levado em conta, porque normalmente passa despercebido e não tem a conotação de ser relevante.

Ledo engano!

O que pode parecer irrelevante para alguns, pode ser definitivo para outros.

Uma frase, uma postura, um comportamento, uma pequena atitude, que para um pode ter sido casual ou incorporada à sua naturalidade, pode ter o poder de tirar o outro do prumo, desestabilizar suas emoções profundas, expor seus temores e inseguranças, e gradativamente, minar a confiança nos destinos daquela relação.

A semente do amor se planta, se cuida e se preserva.

Quando a semente original é descuidada, as ervas daninhas tendem a tomar conta do jardim, e quando quem tanto ama as flores se dá conta, daquele jardim já resta muito pouco, e as poucas flores que restaram, teimam em manter a chama da vida, em meio aos espinhos e voracidade dos invasores daquele terreno abençoado dos seus sonhos.

A brecha que dá entrada às sementes ruins é a falta de sintonia fina entre o casal, àquelas que vão consumir o espaço, a energia, a vitalidade do jardim da relação.

Na maior parte das vezes, só percebemos o tamanho do mal, quando ele já está estabelecido, e o que mais nos assombra, é que ele germinou, nasceu, criou raízes, se consolidou, ganhou vigor e estrutura, bem diante de todos os nossos sentidos.

Já sabíamos que ele estava ali, se alimentando da energia de nosso casamento, bebendo a água com a qual regávamos com tanto cuidado os nossos encontros, a nossa intimidade, o nosso carinho.

O mal é um agente único e poderoso, que se alastra e se firma nos espaços onde é ignorado.

São as distorções, as rusgas, a falta de flexibilidade, de compreensão, de amizade, que levam à perda de fragmentos importantes de respeito, e quando isto acontece, quando pequenos e leves tremores começam a acontecer, que as bases das paredes do castelo tão cuidadosamente erguido, começam a ruir, primeiro lentamente, para logo em seguida deslanchar e desaparecerem diante de nossos olhos.

É neste momento em que nos percebemos inertes, sem ação, desesperados diante daquilo que não conseguimos compreender, muito menos agir em contrapartida.

O casamento acaba, e com ele acaba um pedaço de nós, uma sensação de frustração e desespero assume a maior parte de nossa compreensão da vida, e quase tudo perde valor.

Porque não prestamos atenção no que era realmente importante?

Porque não notamos que estávamos machucando o outro?

Porque não percebemos que estávamos fazendo falta?

Porque não entendemos que estávamos sufocando?

Porque não falamos?

Porque?

Uma chuva interminável de inexplicáveis “porquês” toma conta de nossa mente e uma escuridão profunda e fria assume o lugar da luz brilhante, intensa e quente que iluminava nossa relação.

O lindo castelo deslumbrante, que vocês construíram com tanto denodo e carinho, preparado especialmente para receber os sonhos da princesa magnífica, que chegou de carruagem para o grande baile de felicidade do príncipe encantado, desmoronou em escombros poeirentos e doloridos.

O esplendoroso jardim onde vocês depositaram as suas sementes de esperança, está agora tomado por plantas e víboras, numa terra estéril para o bem, onde não trafegam mais os pássaros e borboletas da felicidade, e só resta espaço para as criaturas medonhas da tristeza e depressão.

Como não deixar acontecer o fim de um casamento feliz

Casamento feliz é uma chama
Um calor que emana e aquece a relação

Casamento feliz é um elemento vivo, dependente direto da dedicação de duas pessoas que decidiram seguir em frente lado-a-lado, na busca da felicidade comum, que só será completa, se ambos estiverem presentes.

São muitos os potenciais de corrosão de uma relação e a alma de sua força destrutiva está associada ao fato de que não percebemos quando o mal se aproxima.

Mas o que fazer então?

Prevenir!

A forma de evitar que os elementos negativos, invasores de relações e destruidores de felicidade se estabeleçam, é se prevenir da sua chegada, criar as armadilhas corretas para não deixar que as sementes do mal e da separação proliferem no jardim da felicidade.

Mas como fazer?

Nossa personalidade é resultante de nossas percepções da vida e nossos comportamentos diante das situações a que somos expostos.

Na maioria das vezes, funcionamos como passageiros desta jornada, mesmo que sejamos os protagonistas de nossas vidas.

O caminho para evitar que a degradação atinja sua relação e o mal dê fim a seu casamento feliz, é tomar posse de sua vida, de sua trajetória, controlando suas decisões e agindo com racionalidade.

Os 6 ingredientes de preservação da integridade do casamento feliz

Uma receita para um casamento feliz
Uma receita de muitos e delicados ingredientes

Casamento feliz é resultante de uma receita, que une ingredientes e proporciona a fórmula perfeita para que esta iguaria se estenda indefinidamente, mantendo a consistência e o sabor, proporcionando a felicidade e o prazer, para sempre, pois a felicidade é uma obrigação, mas também um direito daqueles que reconhecem seu valor.

Fomos buscar nas profundezas da sociologia, com pitadas de antropologia e doses generosas de estudo da mente humana, 6 ingredientes poderosos que, aplicados nas proporções corretas, na forma adequada, possuem a capacidade infalível de evitar que o mal se aproxime de sua relação, muito menos, que se estabeleça no jardim de sua felicidade.

A construção de um casamento feliz é uma tarefa compartilhada entre 2 pessoas, e isto faz com que as responsabilidades sejam divididas, mas o que fazer com nossa tendência natural de jogar a responsabilidade pelos problemas sempre para o outro lado, mesmo que lá esteja o verdadeiro amor de nossa vida?

É exatamente por isto que nossa abordagem traz elementos práticos, verdadeiros, que estão sob seu controle, sob sua responsabilidade e que você deve desenvolver, o que irá prevenir a aproximação das incertezas, inseguranças e, mais importante, irá evitar que você machuque, ofenda ou desaponte a pessoa que tanto ama e que tanto te ama também.

Alimente estas características de personalidade e elas serão eternas guardiãs e vigilantes dos jardins de seu castelo, que continuará sempre sólido e em pé, enquanto espalhará flores, cores e aromas pelos céus de seu paraíso.

1 - Empatia

Empatia para o casamento feliz
Entender o pensamento alheio

Um casamento feliz será uma realidade e permanecerá assim, sempre que ambas as partes praticarem a empatia, que nada mais é, que a habilidade de “se colocar no lugar do outro”.

Basicamente, é saber avaliar cada situação a partir de seu ponto-de-vista, mas nunca deixar de analisar cada detalhe, do ponto-de-vista da outra pessoa.

Esta é uma regra básica da vida em sociedade, porque seria diferente entre 2 pessoas que se amam e que construíram uma vida inteira juntos?

Analisar a perspectiva do outro, dá uma sinalização clara de como será a reação dele (ou dela), diante de determinada circunstância, ocasião ou comportamento.

Você convive com aquela pessoa, estabeleceram laços inconfundíveis e incomparáveis, possuem segredos, intimidade, objetivos mútuos, é improvável que exista alguém mais capacitado que você para tentar entender como aquela pessoa, tão próxima, percebe as coisas, criando formas para evitar agressões, ofensas ou desconfortos, que certamente jamais seriam propositais.

Ocorre que, se você não pratica a empatia, não se coloca no lugar do outro, sendo propositais ou não, os desconfortos acontecerão em algum momento, e é sempre assim que iniciam os rompimentos.

2 - Resiliência

Resiliência e casamento feliz
Resiliência e flexibilidade de personalidade para manter o casamento feliz

Esta parece ser uma palavra moderna para expressar algo tão antigo quanto essencial ao sucesso humano na sua convivência social, e por consequência, na relação do casal.

Resiliência é uma espécie de sopa, que é feita com muitas porções de paciência, algumas outras tantas de compreensão e com generosas pitadas de resistência e adaptação.

A física ensina a resiliência como aquela capacidade de algum elemento resistir à pressão, chegando a se deformar, para retornar, posteriormente, à sua forma e estado original.

Todo mundo deve se lembrar daquele experimento em que o professor apresentava uma seringa, cheia de “nada”, fechando seu orifício de saída, impulsionava o êmbolo, que encontrava ali, a resistência do ar, que dentro da seringa, sem ter por onde sair, se comprimia, até determinado limite, e quando a pressão era aliviada, voltava ao seu estado e forma natural.

É esta capacidade de resistência e adaptação, sem perder a forma e a integridade, que a relação necessita.

Se o outro não teve, naquele momento, a sensibilidade de perceber que poderia estar machucando, ferindo ou ofendendo você, e você tem certeza que ele jamais faria isto se tivesse consciência do mal que está causando, então compete a você exercer a compreensão, suportar a pressão daquele desconforto, ciente de que é transitório e vai passar, para em seguida, assim que a turbulência der lugar à tranquilidade, assumir seu estado natural e seguir em frente.

Não significa tolerar tudo, o tempo todo, baixar a cabeça e se deixar ser maltratada (ou maltratado), mesmo que inconscientemente, pela pessoa que você ama, mas deixar passar, para depois, de forma racional e equilibrada, contar daquele desconforto e encontrar um acordo para limitar e eliminar estas ocorrências.

3 - Atitude solucionadora

Atitude solucionadora e casamento feliz
Um olhar positivo sobre a vida

Ter uma relação verdadeira e um casamento feliz, requer uma postura positiva diante da vida e diante dos fatos.

Atitude solucionadora é um posicionamento imbatível para enfrentar os problemas, até para evitar que eles aconteçam, pois quando alguém está decidido que possui todas as forças necessárias, todas as habilidades e motivos para superar dificuldades, nada tem o poder de desmanchar esta força de vontade, que além de ser poderosa, é inspiradora.

4 - Capacidade de realização

Capacidade de realização
Ser capaz de realizar a felicidade tão sonhada

Estar sempre em sintonia com a outra pessoa, faz com que cada abalo neste equilíbrio seja imediatamente percebido e, por consequência, resolvido.

Projetar, planejar, sonhar, tudo é permitido, desde que não seja um desperdício de esperança, e tudo esteja associado à uma forte capacidade de realização.

Dar forma a projetos e sonhos, sonhar junto e buscar a realização destes sonhos, é algo definitivo na construção de tudo na vida, do próprio castelo, do jardim e da felicidade.

5 - Compreensão da sexualidade como catalizador da união

Intimidade conjugal
O amor na sua essência mais íntima

Se engana decisivamente quem acredita que a espiritualidade, a moral, a ética, repreendem a prática sexual como algo que deve ser evitado e faz parte de um contexto de pecado.

A sexualidade é a mais poderosa forma de construção da intimidade do casal, ampliando a sua percepção de cumplicidade positiva diante de tudo na vida.

Possuir e manter uma sexualidade ativa, compreendendo as descobertas e limites do outro, se abrindo às experiências que levam a desvendar a fortaleza da relação, consolidando muito mais que a parceria, mas definindo aquela relação como algo único, porque dali, 2 seres se completam, conhecem suas formas mais particulares e íntimas, o que abre as portas para uma verdadeira e saudável integração total.

Exercite a sexualidade, aproveite as coisas boas que o sexo coloca na relação, isto mantém incandescente o desejo e ele serve para proporcionar uma perspectiva de prazer nesta união.

Não se perca em pudores, vivencie paixões.

6 - Diálogo

Diálogo é fundamental
Comunicar faz bem

Toda a relação requer confiança e respeito e a compreensão de tudo que acontece entre as 2 pessoas que constroem aquela união.

A única forma de manter a compreensão entre estes 2 protagonistas, é o diálogo, a palavra aberta, o potencial de renovar as forças que mantém esta integridade a partir da comunicação direta, verdadeira, cuidadosa, mas franca e objetiva.

Ninguém jamais saberá das necessidades profundas do outro sem uma comunicação afinada e dentro do mesmo idioma.

Manter as portas abertas para conversas francas, sempre que alguém necessitar expor suas aflições, seus desejos, suas descobertas e quiser compartilhar sua visão própria sobre a relação, é algo indispensável a um casamento feliz.

Ninguém vive de adivinhação e um dos maiores fatores de afastamento é a dificuldade de comunicação entre o casal, por isto, aperfeiçoe o diálogo e interajam sem medo, pois a evolução se dá a partir do aprendizado que um tem em relação ao outro, e sem diálogo, ninguém entende ninguém.

Casamento feliz é organismo vivo, que respira, se alimenta, chora e ri

Alimentar a relação
É preciso alimentar aquilo que desejamos que viva para sempre

Casamento feliz é como se fosse uma criatura dos 2, gerada pelo casal, que muitas vezes toma forma nos filhos que brotam desta relação, mas que jamais deixará de ser algo único, criado conscientemente, por escolha direta e com a cumplicidade de quem quer realmente ver aquilo evoluir.

Casamento feliz é a derradeira manifestação do amor, que congrega todas as emoções humanas numa só, que conjuga todos os defeitos e qualidades numa única perspectiva, que releva, que entende, que compreende, que assimila, que compartilha e que se fortalece, exatamente no ponto em que cada um dá o melhor de si para que a união se consolide como feliz e permanente.

Lembre do início, da sensação de vazio que a distância provocava, da ansiedade de estar junto, mesmo que recém tenha se despedido.

Lembre do jogo de não querer desligar o telefone, de mal ver a hora do encontro, da importância de simplesmente estar ao lado, na alegria ou na tristeza, em qualquer circunstância.

Procure manter junto com você e com seu par, aquela eterna sensação de namoro, de que a vida só tem sentido se for ao lado daquela pessoa tão especial, da qual não encontramos explicações, porque o amor não se explica, ele simplesmente acontece, brotando das sementes que suplantam até as ferozes ervas daninhas do jardim, porque o poder da realização do amor é Divino, é colocado na alma de cada um, como ingrediente de aproximação, de união, de busca, de procura, de encontro e consolidação da vida na plenitude da felicidade.

Se entregue perdidamente ao amor, mas não feche os olhos e nem bloqueie seus sentidos e instintos.

Esteja sempre pronto a se policiar, a avaliar suas atitudes, suas brincadeiras, suas ações e reações diante de tantas variáveis da vida.

Ame com o coração, mas mantenha a razão alerta, para não esquecer da empatia, de se colocar no lugar do outro diante de suas atitudes e comportamentos.

Seja resiliente e exercite a sua capacidade de adaptação sobre a pressão das coisas que, eventualmente, acontecem de forma diferente daquilo que você gostaria.

Mantenha uma atitude solucionadora, pois esse viés positivo, move e arrasta montanhas em direção à realização de sonhos e isto fará com que você seja uma pessoa que todos, sempre, vão querer ter por perto.

Mantenha viva e eficiente a sua capacidade de realização, de partir do sonho para a realidade, de fazer as coisas acontecerem, de criar um ambiente ao seu redor, onde os sonhos mais ousados ganham forma e se tornam reais.

Respeite sua sexualidade e compartilhe com seu par as suas descobertas, seus desejos, suas curiosidades e respeite também os limites do outro, pois são as nossas fronteiras que nos mantém estáveis.

Nunca esqueça de manter e fortalecer o diálogo, pois é a comunicação a ferramenta onde as dúvidas se dissipam, as incertezas se transformam em convicções, e as relações ganham força para se adaptar, a cada novo dia, aos desafios infindáveis da construção de um casamento feliz.

Faça de seu casamento uma eterna sequência infindável de “Dias dos Namorados”, mantendo acesa aquela volúpia, aquela admiração, aquela vontade de vivenciar as maiores aventuras e descobertas ao lado da pessoa amada.

Pode ser que o desejo seja apenas o de deitar mansamente com a cabeça postada sobre o peito do amor da sua vida, escutando as ritmadas batidas de seu coração, consagrando a vida e o amor, na forma daquele príncipe imaginário, que te ajudou a construir um verdadeiro castelo de felicidade, que plantou cada sementinha de cada linda flor daquele jardim colorido com as tonalidades encantadoras da felicidade.

Lembrem-se sempre de regar cada plantinha, de estarem atentos às ervas daninhas, que sempre surgem para tentar minar a integridade da sua felicidade, mas lembrem-se antes e acima de tudo, que a vida é uma dádiva entregue aqueles que mereçam, e o casamento feliz é um presente dentro da dádiva, por isto, cuidem bem dele e façam por merecer.

 

“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”

(Coríntios 13:4-8)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *